Desafios

Qual a área da sua vida está trazendo maiores desafios para você?

– Relacionamento Íntimo Afetivo

– Relacionamento Familiar

– Relacionamento Social

– Saúde

– Profissional

– Financeira

– Intelectual

– Espiritual

– Outras

O processo de autocura engloba o despertar da consciência, o ganho de consciência, a expansão da consciência, bem como as respectivas transformações interiores necessárias, aliadas às técnicas terapêuticas.

O que você precisa apender com as experiências que estão lhe trazendo esses desafios?

O que você acha de enfrentar os desafios e não procrastinar ainda mais a sua resolução?

Será que você se reconhece na dor do outro?

– Você se sabota? Você se culpa? Você se julga? Você se condena? Quem você acha que é o seu maior carrasco e algoz?

– Você já se arrependeu de alguma atitude que teve com alguém (filho, mãe, cônjuge, companheiro, colega de trabalho, consigo mesmo)?

– Onde estão as suas “mágoas”, más águas, águas paradas?

– Você acha que realmente é livre?

– Você nunca vai agradar totalmente o outro por mais que queira e se esforce porque você não conheçe a régua de medida do outro.

– Você já sentiu alguma vez na vida a “dor da alma”? Sabe quando a medicina tradicional não tem explicação para a sua dor, mas a dor existe? A doença no corpo físico já é a materialização da doença que estava no corpo energético.

– Em qual movimento você se encontra? Despertar a consciência? Ganhar a consciência? Expandir a consciência?

– Sem julgamento! Você deve respeitar, mas não é obrigado a estar ao lado de quem não tem sintonia, afinidade, cujo padrão vibratório é distinto do seu.

– Qual é o valor que conduz a sua vida? O que realmente é importante para você? O que faz você feliz? O que você faz que aquece o seu coração? O que você faz por puro prazer?

– Você se respeita? Você realmente “ouve” a resposta do seu peito?

– Qual é a sua verdadeira essência?

– O que é valor para você? Quais valores protegem você e que representam a sua frequência primordial? Você tem integridade? Você realmente vibra, vive, fala e age de maneira coerente com aquilo que pensa e sente? Ou vive se preocupando com o “tenho que…”  “para que…”? Por exemplo: Eu tenho que ser boazinha para agradar ao outro!

– Será que você é controlador? Você permite ao outro viver a própria experiência, mesmo sabendo que vai dar errado? Ninguém tem o direito de se meter na vida do outro se não for consultado. Não tire a experiência do outro! Tirar a borboleta do casulo antes da hora, você não estará ajudando, ao contrário, vai estar atrapalhando, prejudicando. Cuidado com o que você “acha” que é legítima boa vontade! Você pode causar um estrago lastimável na vida do outro!

– Permita ao outro viver a sua própria experiência e ser salvo por si próprio.

– Não queira mudar o outro! Cada um é como tem que ser. Cada um foi previamente constituído para uma finalidade específica. Tudo está certo como está!

– Ler muitos livros, por si só, não incorpora o aprendizado para a vida real, na prática.

– Buscas acadêmicas, pessoais, espirituais são legítimas mas de nada servem se não colocadas em prática.

– Alguma vez você já quis pedir para parar o trem porque você queria descer, não queria continuar a viagem, ou seja, não ter mais vontade de viver? Na verdade, não queremos viver “com aquela dor”. A questão não é querer deixar de viver, mas querer deixar de viver “com aquela dor”. Sem aquela dor queremos, sim, continuar a viver!

– A vida é um livro feito de capítulos com fatos relevantes, alegrias e decepções. Viver é experienciar coisas boas e coisas não boas, ou seja, dores, amores e horrores.

– Não esqueça que o caminho se faz caminhando…

– Frustrações! Você consegue lidar com elas? Consegue lidar com o medo, a insegurança, a raiva?

– Irritação! Você já teve algum momento de irritação?

– O que você tem aprendido no decorrer da vida?

– O que você pensaria se visse alguém fazendo o que faz? Você julga o outro?

– Você escuta quem te crítica ou você ataca ao se sentir ameaçado quando ouve uma verdade sobre você que gostaria que não fosse verdade? A verdade incomoda você? Você fica bravo quando alguém diz que você é “chato, bobo e feio”? Será que você não tem atitudes chatas, bobas e feias? E está tudo bem ser chato, bobo e feio! Não se rotule! Você não é um rótulo, você é “tudo”! Permita-se ser tudo!

– Será que você tem amor próprio, de verdade?

– Você já está disposto a olhar para dentro, fazer um mergulho interno em busca de se conhecer verdadeiramente? Se ainda não teve esta coragem, não se culpe! Respeite-se, cada um tem o seu momento para despertar.

– Você tem alguma doença no corpo ou doença da alma? Você realmente quer se curar tratando a causa e não apenas o efeito? Você está preparado para ser o protagonista da sua autocura? Você está disposto a se conhecer de verdade e fazer as transformações, as reformas íntimas necessárias? Ou prefere o conforto da acomodação daquela situação que já é conhecida, mesmo não sendo algo bom?

– Existem pessoas que podem ser curadas mas não querem e existem as pessoas que querem ser curadas mas já não podem!

– Algumas preferem tomar um remedinho para a dor passar, até chegar novamente a próxima dor, ao invés de olhar para a causa e ter a coragem de fazer as transformações interiores, reformas íntimas necessárias. O remédio é importante? Claro que sim! Mas não apenas o remédio. Tem que ter o olhar profundo para o que você está fazendo com a sua própria vida.

– Você se acha especial ou essencial? Ninguém é especial porque ninguém é melhor que ninguém, mas todos somos essenciais porque somos únicos.

O que são dores da alma?

Você já sentiu alguma vez na sua vida as “dores da alma”?

Afinal, o que são as dores da alma?

As “dores da alma”, também conhecida como “dores emocionais”, “doença da alma” ou “doenças psicossomáticas” acontecem quando não se tem explicação para a sua dor física, mas a dor existe, tirando a alegria de viver.

A causa da depressão, síndrome do pânico, fibromialgia, crise de ansiedade e suas derivações vem de uma dor muito grande que não está presente no corpo físico, mas são doenças que corroem a nossa alma.

Sabe quando você faz exames de diagnóstico e o resultado não acusa uma resposta coerente com os sintomas físicos reais?

Nas dores da alma, o tratamento convencional ameniza a dor física, ou seja, alivia os sintomas, mas não resolve a causa

O tratamento convencional é importante, mas também é importante buscar a causa que está gerando o desconforto e sofrimento na sua vida.

Quando surge algum sintoma de uma doença física ou doença emocional, na verdade é uma voz interna gritando que algo precisa ser olhado, transformado e ressignificado na sua vida.

Não adianta tratar apenas o sintoma da doença pois se você não identificar a causa do problema para ser tratada na sua origem através do ganho de consciência com as transformações no comportamento, atitudes e pensamentos, gerando a mudança no padrão energético vibracional, provavelmente aquela doença, ou seja, aquela dor vai voltar a aparecer para que seja dada a devida atenção à real causa do problema.

As dores da alma surgem quando você se distancia de você mesma, da sua essência, provocando as dores mais profundas no âmago do seu ser.

Isso acontece quando você não é autêntica e íntegra consigo mesma vivendo na ilusão.

É preciso sair da ilusão porque a ilusão gera dor!

Você fez o que soube, sem julgamento!

A cura está em se conectar com a própria essência, com o seu “eu de verdade”

Só você vai conseguir modificar a estrutura da dor que existe em você.

O(a) terapeuta energético atua nas desarmonias emocionais que geram as doenças, mas a transformação para a autocura depende de você.

Você já parou para pensar o que precisa ser curado dentro você?

Você está disposto(a) a olhar e a ressignificar a causa das suas dores físicas e emocionais, as dores da sua alma?